domingo, 31 de maio de 2009

Agora é Fato, NATAL na COPA 2014!!!

Parabens!!! NATAL - Cidade do SOL na COPA 2014
Dados da cidade Altitude 30 metros Área 170,298 km² Densidade 4638 hab/km² Estado Rio Grande do Norte População774.230 hab (IBGE 2007)
Conhecida como “Cidade do Sol”, Natal começa sua história com a construção pelos portugueses da “Fortaleza dos Reis Magos” em 6 de janeiro de 1598 (Dia dos Reis Magos). Três décadas depois, em 1633, a fortaleza é ocupada pelos holandeses, quando a cidade ganha o nome de Nova Amsterdã até 1654. quando voltou ao domínio português. Belas praias e dunas atraem turistas do Brasil e de todas as partes do mundo.
Visitantes de todos os lugares do mundo escolhem Natal para respirar o “ar mais puro” das Américas, visitar o maior cajueiro do mundo e conhecer as mais de 20 praias com paisagens paradisíacas de dunas e mar límpido e tranqüilo. Conhecida como “A Cidade do Sol” (com média de 320 dias de sol por ano), possui em sua história o traço da colonização holandesa e portuguesa.A cidade foi fundada no dia de Natal, 25 de dezembro de 1599, por Manuel de Mascarenhas Homem, capitão-mor de Pernambuco, que chegou com o objetivo de construir um forte e uma cidade. A idéia era assegurar a posse de Portugal, afastando os franceses. Mas a história da cidade começa mesmo em 1598, com a construção do Forte dos Reis Magos, pelos portugueses. Capital do Rio Grande do Norte, pertencente à Região Metropolitana de Natal, à Microrregião de Natal e à Mesorregião do Leste Potiguar, Natal é a cidade mais populosa do estado e situa-se numa espécie de triângulo natural com um vértice para o norte, que é banhado de um lado pelo Rio Potengi e de outro pelo Oceano Atlântico. Além do acesso por via aérea e terrestre, Natal conta, ainda, com acessibilidade portuária e vem recebendo cruzeiros nacionais e internacionais, na alta temporada.Estádio: Arena das DunasPlanejado no modelo de parceria público-privada, o projeto do novo estádio de futebol da cidade, o Estádio Arena das Dunas, prevê investimento de R$ 300 milhões. O estádio deverá estar concluído até o primeiro semestre de 2013, para atender aos jogos da Copa das Confederações, que irá ocorrer no início do segundo semestre. Após a Copa de 2014, o novo estádio pode ter dois destinos: ser uma herança positiva ou negativa para Natal, caso se transforme em um “elefante branco”. Oprincipal desafio é obter a sustentação econômica do novo estádio, que não pode depender apenas da receita de jogos de futebol, mas sim requer outras fontes de renda, como shows musicais e demais eventos culturais. Ou melhor, o desafio para a construção do estádio é focar dois objetivos: o esportivo (futebolístico) e a promoção de um fluxo de turismo permanente pós-Copa. Para viabilizar o investimento apenas com renda de futebol seria necessário um substancial aumento de público e de renda. Um dos desafios é desenvolver o futebol do Rio Grande do Norte forma a alcançar e manter dois times na elite (série A) do Brasileirão e alcançar uma participação na Copa Libertadores da América. O potencial esportivo de Natal é irregular. Já teve um representante (o América) na elite do Brasileirão, em 2007, mas não durou uma temporada. A condição mais recente é fraca, com dois times na série B do Brasileirão. Estes sequer conseguiram chegar às finais do Estadual de 2009, disputado entre dois times do interior, com público e renda muito baixos.Mas, em 2007, o jogo do América contra o Flamengo, pelo Brasileirão, teve 32 mil pagantes, com renda de R$ 517 mil e ingresso médio de R$ 16 para uma carga de 32.200 ingressos. Ou seja, casa cheia. Contra o Corinthians, foram 17 mil pagantes, renda de R$ 265 mil e ingresso médio de R$ 15. Os números indicam a existência de um potencial, se os times locais estiverem bem posicionados no certame nacional.Apelos turísticos A Copa de 2014 justifica investimentos para incrementar a infraestrutura turística e ampliar o tempo de permanência do turista de negócios na capital, além de criar condições para que ele retorne em outras oportunidades. De 2002 a 2007 dobrou o fluxo turístico, passando de 1.423.886 para 2.096.322. Os vôos internacionais triplicaram passando de 5 vôos internacionais por semana (em 2002) para 23 que chegam da Argentina, 14 de Portugal, 10 da Espanha, 3 da Itália e mais vôos da Holanda, Alemanha, Suécia, Inglaterra, Noruega, Dinamarca e Finlândia. Foram 1.400 vôos charters em 2006. Segundo levantamento da Nasa, em parceria com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Natal é reconhecida internacionalmente como o “Ar mais puro das Américas”. O município foi eleito pela Aviesp (Associação das Agências de Viagens Independentes do Estado de São Paulo) como melhor destino turistico do Brasil em 2007 e também é uma das cidades com o maior número de leitos turísticos do País (aproximadamente 28 mil).Acessibilidade e mobilidade O Rio Grande do Norte conta com oito rodovias federais, que totalizam 1.350 km. É considerada a segunda melhor malha do Nordeste (perdendo apenas para que a BR 101 é o grande referencial, já que é a maior rodovia do Brasil, ligando Touros, no RN a Osório, no RS. Outra rodovia que facilitará turistas regionais é a BR 304, que liga Natal a Fortaleza, passando por Mossoró, a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte. Já a BR 226 liga Natal ao Seridó. No quesito mobilidade urbana, Natal sofre algumas limitações. Dispõe de um sistema de trem urbano, com 38 km de extensão, onze estações e capacidade para transportar 4 mil passageiros por dia. Apesar dos números a qualidade tem sido considerada insatisfatória. Outro desafio a enfrentar é o problema do congestionamento: a frota atual de automóveis passa de 260 mil veículos e mais 2.500 são emplacados a cada mês. O sistema de transporte coletivo por ônibus tornou-se obsoleto e não atende às necessidades atuais. Encontra-se em estudo uma licitação para a reestruturação completa do sistema. Outro problema crítico é o estacionamento na via pública, restringindo as faixas de rolamento. Entre as ações planejadas para melhorar a mobilidade urbana estão o Projeto de Modernização e Expansão do Sistema de Trens Urbanos de Natal; implantação do Eixo de Integração Zona Oeste-Zona Sul; implementação do Sistema de Transporte Rápído de Natal – Fase 1; implantação do corredor turístico cultural; implementação do Sistema de Transporte Rápido de Natal – Fase 2 e melhorias na infraestrutura urbana das cidades que integram a Região Metropolitana.Infraestrutura aeroportuária O aeroporto internacional da cidade, Augusto Severo, localiza-se no município limítrofe de Parnamirim, região metropolitana de Natal, conta com 6.224 m de pistas para pousos e decolagens e comporta 25 aeronaves, mas já não atende à demanda de 2 milhões de turistas/ano, entre brasileiros e estrangeiros que acorrem à cidade.Um novo aeroporto está em fase inicial de construção, o Aeroporto Internacional da Grande Natal/São Gonçalo do Amarante, situado no município de mesmo nome, distante 11 km do centro de Natal. Projetado para ser um aeroporto intermodal (passageiros e cargas), o complexo terá a maior pista de pouso do Nordeste e tem a pretensão de ser “o maior terminal da América Latina”. O complexo, em fase de construção, está incluído no Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal. Como será o maior aeroporto de cargas da América Latina, está sendo criada uma ZPE - Zona de Processamento de Exportações – distrito industrial para a instalação de empresas voltadas essencialmente para o mercado externo. Além da ZPE, haverá área de Livre Comércio (ALC).Desafios e oportunidadesNatal está numa posição privilegiada em relação à Europa, o que é uma vantagem competitiva para o turismo. Com o novo aeroporto, Natal superará as carências de transporte para atender ao substancial acréscimo de movimento com a Copa. O desafio é concluir o aeroporto até 2014.Outro grande desafio de Natal, como das demais cidades brasileiras é solucionar suas carências de infraestrutura urbana, comprometendo, principalmente, a mobilidade urbana. Mas o maior desafio é revitalizar o futebol do Rio Grande do Norte para proporcionar rendas mais elevadas, capazes de dar sustentação econômica ao investimento na Arena das Dunas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário