sábado, 12 de junho de 2010

CHUVA DE BALA NO PAÍS DE MOSSORÓ - BATE E VOLTA

A Capela de São Vicente ganhou fama inesperada. Na manhã de 13 de junho de 1927, com a mobilização da cidade contra o bando de Virgulino Ferreira, o Lampião, a sua única torre ficou crivada de balas. E, hoje, às vésperas dos 80 anos do ataque, com a primeira derrota do cangaceiro, ainda podemos encontrar as marcas da batalha. Esse fato integra o consciente coletivo da população e é uma marca da luta, pela liberdade, do povo mossoroense. E não é por acaso que atualmente é um sinal de bravura. Afinal, quem seria capaz de bater o pé a um bando de homens armados e fugitivos da lei, em plena década de 20 do século passado? Mossoró foi capaz, e teve esta ousadia. Afugentou o bando, negou-lhe os 400 contos de réis, se protegeu e, ainda, retirou das mãos de Lampião dois cangaceiros: Colchete e Jararaca. Este último foi preso na Cadeia Pública, atual Museu Municipal Lauro da Escóssia e enterrado no Cemitério Público, e hoje seu túmulo é venerado porque o cangaceiro é tido como milagroso. Durante a década de 50, para relembrar o ato heróico, foi montada na cidade uma peça teatral com as principais personagens do acontecimento. Dava-se o primeiro passo para a sedimentação do teatro na cidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário