domingo, 5 de setembro de 2010

CURRAIS NOVOS - Redescobrindo as Cidades do Meu RN.

Currais Novos é um município brasileiro no interior do estado do Rio Grande do Norte. Localiza-se a 172 km da capital estadual, Natal. Currais Novos se encontra na região do Seridó, na região central do estado junto a divisa com o estado da Paraíba. Considerada um centro sub-regional, suas principais atividades econômicas são a agricultura, pecuária e a extração mineral. Seu simbolo turístico é a estatua "Cristo-Rei", réplica fiel, mas em menor proporção, da estátua do Cristo Redentor, que foi trazida da França e doada por Cel. Manoel Salustino em 1937. Currais destaca-se pela Carnaxelita, maior micareta do interior do estado e que notadamente atrai turistas de várias partes do interior nordestino. De forte formação geológica, o município também se destaca por abrigar a Mina Brejuí, a maior mina de scheelita da América do Sul[6] e o Canyon dos Apertados, único canyon de rocha granítica do mundo. De acordo com o censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano 2009, sua população é de 43.536 habitantes. História Origens A cidade de Currais Novos foi colonizada inicialmente por Criadores de Gado, dentre os quais o mais importante foi Cipriano Lopes Galvão, nomeado Coronel do Regimento de Cavalaria da Ribeira do Seridó pelo então governador Pedro de Albuquerque Melo, e agricultores que têm em sua origem cristãos-novos vindos dos Açores e de Portugal continental. Cipriano Lopes Galvão veio de Igaraçu- PE com sua esposa Adriana de Holanda e Vasconcelos no ano de 1754 para a região do Totoró. No local, fixou residência e fundou uma fazenda de gado. Quando requereu as terras em 1754, cujo requerimento consta no livro número 5 de Sesmarias do Rio Grande do Norte, já morava no local há anos e tinha seu rebanho bovino com os devidos empregados, chamados de vaqueiros. É certo que sua sesmaria abrangia desde a bifurcação emtre os rios Totoró e Maxinaré até a região do Rio São Bento. Na época, não existia o município de Acari nem o de Vila do Príncipe (atual Caicó) e toda a região, então denominada Ribeira do seridó, pertencia à Paraíba. Aproveitando as boas pastagens que o Rio São Bento oferecia, o gado de seu rebanho se deslocava até aí para se alimentar e beber, fato que dificultava o trabalho dos seus empregados. Observando tal dificuldade, resolveu construir currais de pau-a-pique, com troncos de aroeira, nos quais tirava- se o leite das vacas, adestrava- se os bezerros e marcava- se o restante do gado com o método do ferro moldado e aquecido no fogo. Contavam com uma infra- estrutura para a troca e comercialização, bem como para a hospedagem dos parceiros comerciais. A partir destes, casas começaram a ser construídas e vários outros fazendeiros passaram a requerer terras nas circunvizinhanças para aproveitar a proximidade com a emergente feira de gado. [editar] Origem e evolução do nome Com o crescimento da feira de gado, o Coronel Cipriano resolveu desmembrar o espaço de suas terras, dando-lhe o nome de Fazenda Bela Vista. Após sua morte em 1764, seu filho, o Capitão- Mor Cipriano Lopes Galvão Filho, assumiu os negócios, reformou os currais e investiu cada vez mais no comércio do gado. Bela Vista foi ficando casa vez mais movimentada, já que era ponto de encontro comercial de várias partes do estado. Todos os tropeiros e viajantes marcavam suas reuniões nos "Currais Novos do Capitão", nome pelo qual o crescente povoado passou a ser designado. A partir de 1813, com a morte do seu dono, mudou- se o nome definitivamente para povoado Currais Novos, nome que persiste até os nossos dias, a preferência pelo nome "Currais Novos" fundamenta-se na troca feita pelos moradores,isto é, as pessoas que residiam próximo aos currais velhos existentes no povoado passaram a residir perto dos novos currais. No início do século XX, surgiu dentre os mais influentes a proposta de mudança do nome para Galvanópolis, em homenagem ao fundador. Tal idéia, apesar de ter ganhado força, não atingiu seu objetivo, uma vez que o próprio nome Currais Novos já relembra toda a origem e história do município. Da promessa surge a cidade Imagem de Santa Ana comprada pelo Coronel Cipriano Lopes Galvão para ser colocada no altar-mor na Capela, construída em 1808. Hino oficial de Sant'Ana, de autoria de Vivaldo Pereira de Araujo (letra) e Maestro Santa Rosa (música), na voz do Coral de Sant'Ana. No ano de 1755, houve uma grande seca. O Coronel Cipriano Lopes Galvão viu- se muito aflito com a inexistência de água para seu rebanho. Celestino Alves, em Retoques da História de Currais Novos, nos cita: O Capitão fez uma promessa: se Deus fosse servido para que chovesse e enchesse as cacimbas para escapar o gado, ele erigiria uma capela em homenagem à gloriosa Senhora Santa Ana na sua fazenda. Tal promessa foi feita em 26 de julho, dia em que a água acabou totalmente. Na mesma noite , choveu e os rios e cacimbas encheram, formando um novo poço próximo aos currais, ao qual chamou de Poço de Sant'Ana. Em 1808, a dita promessa foi cumprida com a construção da capela por seu filho, o Capitão-Mor Cipriano Lopes Galvão, que teve sua autorização outorgada pelo Bispo de Olinda em 24 de fevereiro de 1808, tendo o lançamento da pedra fundamental ocorrido em 26 de julho do mesmo ano pelo padre Francisco Brito Guerra. A doação de meia légua de terras na ponta da Serra do Catunda está registrada em escritura lavrada em 5 de janeiro de 1808. A partir daí começou a construção acelerada de casas ao redor do templo e surgiu o início da construção da atual zona urbana. Povoado, distrito, vila e município emancipado O Totoró ficava na Ribeira do Seridó, pertencente à comarca da Paraíba. Criado o município de Caicó em 31 de julho de 1788, com a denominação oficial de Vila do Príncipe, Currais Novos passou a partencer a Caicó. Depois da morte do idealizador da capela em 13 de dezembro de 1813, o Capitão Gonsalo Lopes Galvão ficou na chefia das terras e do povoado. Organizou a construção das casas obedecendo o alinhamento de ruas, construiu a primeira casa paroquial e a primeira escola (só para meninos, como era de costume), além de outras obras de urbanização. Passou então ao município de Acari com a criação deste em 11 de abril de 1833. Durante o reinado de Dom Pedro II, a povoação foi instituída Distrito de paz, através da resolução provincial nº 301 de 6 de setembro de 1854. A Vila foi criada e desmembrada de Acari em 15 de outubro de 1890 pelo Decreto Estadual nº 59, do então governador provisório Pedro Velho de Albuquerque Maranhão, com instalação em Sessão Solene realizada no dia 26 de fevereiro de 1891 pelo então presidente da Intendência acariense, O Capitão Cipriano Bezerra de Santa Rosa. Após o desmembramento, o município de Currais Novos teve sua área delimitada pelo topógrafo Juventino da Silveira Borges. A posse da Intendência foi solenizada pelo Governador do Estado, sendo constituída pelos cidadãos: Laurentino Bezerra de Medeiros Galvão (presidente), seguindo-se dos Conselheiros (no papel de vereadores) Juventino da Silveira Borges, Sérvulo Pires de Albuquerque Galvão Filho, Francisco Bezerra de Medeiros e Moisés de Oliveira Galvão O município foi elevado à condição de cidade pela Lei nº 486, de 29 de novembro de 1920, sancionada pelo Governador Antônio José de Melo e Souza, no 32º ano da República. Nessa época, a população era de 14 mil habitantes, com 12 ruas, 1 avenida, 2 praças e 3 travessas. Geografia Clima Tipo: clima muito quente e semi-árido, com estação chuvosa atrasando-se para o outono. Precipitação Pluviométrica Anual: normal: 500 mm observada: 615,1 mm desvio: 4,6 mm Período Chuvoso: fevereiro a abril Temperaturas Médias Anuais: máxima: 33,0 °C média: 27,5 °C mínima: 18,0 °C Umidade Relativa Média Anual: 64% Horas de Insolação: 2.400 Relevo Serra do Chapéu. De 200 a 400 metros de altitude. Serras: do Chapéu, Vermelha, do Piauí, do Doutor e de São João. Planalto da Borborema - terrenos antigos formados pelas rochas Pré-Cambrianas como o granito, que se estende pelo Estado, onde encontram-se as serras e os picos mais altos. Vegetação A caatinga subdesértica do Seridó é a vegetação mais seca do estado, com arbustos e árvores ralas e de xeroftismo mais acentuado. esse tipo de vegetação tem diversas espécies. Segundo o Plano Nacional de Combate à Desertificação (PNCD), que define desertificação como a degradação de terras nas zonas áridas, semi- áridas e sub- úmidas, resultante de fatores diversos tais como as variações climáticas e as atividades humanas, Currais Novos está inserido em uma área susceptível em categoria muito grave. Formação * Caatinga Hiperxerófila - vegetação de caráter mais seco, com abundância de cactácea e plantas de porte mais baixo e espalhadas. * Caatinga Subdesértica do Seridó - vegetação mais seca do Estado, com arbustos e árvores baixas, ralas e de xerofitismo mais. Hidrografia e recursos hídricos Pico do Totoró e, logo abaixo, o sangradouro do Açude Totoró. É marcada pela temporariedade de seus rios, ou seja, rios que secam em um período do ano em decorrência do desprovimento de chuvas. No entanto, também existem rios de regime perene ( que não secam )no agreste e no litoral. Dentre os rios que compõem a hidrografia, os principais são: Mossoró, Apodi Assu, Piranhas, Potengi, Trairi, Jundiaí, Jacu, Seridó, Curimataú. Economia A cidade cresceu e desenvolveu-se através da criação de gado bovino e teve toda a sua história atrelada a ciclos econômicos bem definidos, sendo o primeiro o ciclo do gado, sucedido pelo ciclo do algodão e depois pelo ciclo da mineração, liderado pela pelo então desembargador Mina Brejuí, fundada em 1943, Thomáz Salustino Gomes de Melo. Durante décadas a Mina Brejuí foi a maior exportadora de sheelita do hemisfério sul do planeta até quando teve um declínio na década de 1990 e retomou as suas atividades no ano de 2006, voltando novamente a ser um dos maiores exportadores de scheelita do mundo e gerando 200 empregos diretos, com perspectiva de expansão do setor, ligado, também, ao turismo, desenvolvido nos túneis inativos, nas trilhas e no Memorial Tomás Salustino, museu que conta a história da família de mesmo nome e dos tempos áureos da mineração. O artesanato mineral está em alta e contribui em muito para a divulgação da cidade nacionalmente e internacionalmente. A pecuária é extensiva, envolvendo, principalmente, a criação de suínos, bovinos, eqüinos, asininos, muares, ovinos, caprinos e coelhos (ainda inexpressiva). A produção de leite bovino e caprino vem se destacando e é uma das maiores regiões produtoras do Seridó. A agricultura também segue o regime extensivo, muitas vezes de subsistência, envolvendo a policultura. Destaca- se, na horticultura, a produção de coentro, tomate, alface e pimentão. Apresenta limitações muito fortes no uso agrícola, principalmente pela falta d'água, erosão e pelos impedimentos do uso de maquinários, em decorrência do solo pedregoso, rochoso e meio acidentado. Destaca-se ainda a pesca, a extração vegetal e mineral (principalmente de sheelita) e a silvicultura. O pólo turístico está em formação, com a abertura de novos hotéis e pousadas e a divulgação emprendida pela Prefeitura Municipal e outros setores nas diversas áreas do país. Cultura Música A tradicional banda de música "Maestro Santa Rosa", há mais de cem anos vem fazendo harmonizando as ruas largas de Currais Novos/RN. Existem também vários repentistas atuantes no município, como é o caso de Zé Lúcio, Zé Omar, entre outros. Os seresteiros também fazem parte do imaginário local. Na Década de 80 a banda Tártaros e a banda Tigres animaram as noites curraisnovenses. Mais recentemente, a banda Almanáará surgiu com uma proposta mais voltada para o rock, com elementos regionais. Literatura Os escritores Luís Carlos Guimarães e José Bezerra Gomes ficaram para a história do Rio Grande do Norte como dois grandes escritores. Atualmente, O Grupo Casarão de Poesia (Ponto de Leitura) tem realizado um movimento de valorização da poesia no município. Três de seus representantes, Iara Maria Carvalho, Luma Carvalho e Wescley J. Gama, venceram vários concursos no Estado do RN, como o Concurso Zila Mamede (do Jornal Potiguar Notícias) e o Concurso Luís Carlos Guimarães (Fundação José Augusto). Atrações Turísticas- Históricas, Culturais e Religiosas Monumento de Cristo Rei, localizado na praça de mesmo nome. Imagem de São Joaquim, que está no altar-mor da Matriz de Sant'Ana, ao lado da imagem de Sant'Ana. * Parque de Vaquejada Dr. Sílvio Bezerra de Melo * Pedra do Navio com Cruzeiro * Escola do Sertão * Complexo Turístico do Totoró * Canyon e cachoeira dos Apertados - Uma das Sete Maravilhas do RN * Complexo Turístico da Mina Brejuí * Praças Cristo Rei e desembargador Tomaz Salustino o Monumento a Cristo Rei * Monumento 13 de Maio e praça Aproniano Pereira * Fundação Cultural José Bezerra Gomes o Casa do Sertanejo o Acervo Monsenhor Paulo Herôncio de Melo o Acervo Monsenhor Ausônio de Araujo Filho o Espaço e galeria de artes da terra * Palácio Municipal Prefeito Raul Macêdo o Salão Nobre o Galeria dos ex- prefeitos * Coreto O Guarani * Cemitério Público Sant'Ana * Espaço Cultural Monsenhor Ausônio de Araújo Filho * Matriz da Imaculada Conceição * Matriz de Sant'Ana. * Capela de Santa Maria Goretti * Casa da Cultura Popular * Grupo Casarão de Poesia - ONG - Ponto de Leitura * Residência histórica dos Gomes Othon * Canyon dos Apertados Esportes Atletismo A cidade de Currais Novos foi o berço de alguns grandes nomes no atletismo brasileiro, revelando nomes que hoje são destaque no cenário internacional: o medalhista panamericano e olímpico, Vicente Lenílson; Magnólia Figueiredo, que participou de 3 Jogos Olímpicos defendendo o nosso município, onde morou por muito tempo e Cláudio Richardson. Currais Novos é um dos maiores celeiros de atletas do Norte e Nordeste dentre os vários atletas que hoje atuam no Sul do país. Futebol A cidade possuí um clube de futebol profissional, a Associação Cultural e Desportiva Potyguar Seridoense. O clube foi Campeão Potiguar pela 2ª Divisão em 2007 e atualmente é o vice-campeão do Campeonato Potiguar2009. Há diversos clubes de futebol amador na cidade, que disputam algumas ligas organizadas entre si, por exemplo, O Matutão, torneio amador realizado anualmente. Figuras ilustres * Antônio Othon Filho, escritor e político * Celestino Alves, escritor e poeta * José Bezerra Gomes, escritor * Luís Carlos Guimarães, poeta * Paulo Herôncio de Melo, sacerdote * Tomaz Salustino Gomes de Melo, Desembargador e proprietário da Mina Brejuí * Cel José Bezerra * Antônio Quintino Filho, professor, escritor, poeta e historiador * Celione David, cantora Referências escritas * ALVES, Celestino. Retoques da História de Currais Novos. Brasília: Gráfica do Senado Federal, 1981. * SOUZA, Joabel R. de. Sant'Ana, uma bela festa; uma longa história. Currais Novos:s. ed., 2008. Impressão feita sob ajuda do Senador Garibaldi Alves Filho Referências 1. ↑ a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008. 2. ↑ Estimativas da população para 1º de julho de 2009 (PDF). Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (14 de agosto de 2009). Página visitada em 16 de agosto de 2009. 3. ↑ Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008. 4. ↑ a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2002-2005. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (19 de dezembro de 2007). Página visitada em 11 de outubro de 2008. http://pt.wikipedia.org/wiki/Currais_Novos

Nenhum comentário:

Postar um comentário