quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Arena das Dunas ou Castelo de Areia?

Restam apenas três saídas que podem viabilizar a permanência de Natal como sede da Copa em 2014: a dispensa de licitação e contratação imediata de uma construtora, a abertura de um novo processo licitatório ou a absorção total, pelo Governo Estadual, dos custos das obras do novo estádio. Porém, conforme informou o secretário extraordinário para assuntos relacionados à Copa 2014 em Natal, Fernando Fernandes, o Estado não têm condições de arcar sozinho com a construção da Arena, o que diminui para duas as saídas apresentadas. Com isso, o tempo se tornou um inimigo do Comitê Organizador Local (COL) e a realização da Copa em Natal, uma icógnita. Aldair Dantas Nenhum grupo privado apresentou propostas para a construção da Arena das Dunas“Uma desagradável surpresa”. Dessa forma, Fernando Fernandes, descreveu a ausência das empresas de construção civil interessadas em erguer o estádio Arena das Dunas, orçado em R$ 400 milhões. Nenhuma das cinco empresas que se inscreveram e depositaram mais de R$ 4 milhões na conta do Comitê Organizador Local (COL), como garantia de interesse na licitação, compareceu a Secretaria Estadual de Turismo (Setur) na manhã de ontem, onde seriam abertos os envelopes com as propostas de cada uma. A abertura dos envelopes estava marcada para às 10h e foi postergada por 15 minutos, diante da ausência dos representantes das empreiteiras na hora determinada. Porém, não adiantou protelar e a deserção dos concorrentes foi anunciada pelo presidente da comissão de licitação, Marcelo Lucas da Silva, por volta das 10h45min. “Nos reuniremos com o COL para discutirmos o que será feito a partir de agora”. Com a ausência das empresas, o procedimento licitatório terá que ser refeito. No mínimo, mais 45 dias serão necessários para a re-publicação do edital. Ou seja, o processo é zerado, como se não tivesse acontecido antes. Apesar da iminente exclusão da capital potiguar do rol de sedes do campeonato, Fernando Fernandes garante que ainda é cedo para avaliações. “Se fosse uma obra pública, o Estado, diante da deserção do processo, poderia contratar qualquer empresa. Optamos por uma PPP (Parceria Público-Privada) e existem investimentos privados. É necessário uma revisão técnica e política para buscarmos uma saída breve”. O secretário disse que vai procurar os gestores de Natal e do Estado para buscar junto à Fifa recondicionar um novo prazo para a capital potiguar finalizar os trâmites burocráticos. Ele comenta, ainda, que não se pode afirmar a possibilidade do Governo arcar sozinho com os custos para a construção da Arena, e por isso foi necessária a definição da Parceria Público-Privada (PPP) para erguer o empreendimento. “É necessário um entendimento entre os Governos Municipal e Estadual para a viabilização da Copa a partir de agora”. Das cinco empresas inscritas na licitação – Construtora Galvão, Odebrechet, Queiroz Galvão Engenharia, Construcap Engenharia e OAS Construtora – duas estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal na Operação Via Ápia, são elas: Construcap Engenharia e Galvão Engenharia. A Operação investiga a prática de uma série de crimes relacionados à obra de duplicação da BR 101, Lote 2, entre os estados do Rio Grande do Norte e Paraíba. Para o diretor da Inspetoria de Obras do Tribunal de Contas do Estado, Jailson Tavares, a ausência das empresas foi surpreendente. “Não creio que as alterações do edital solicitadas pelo Ministério Público em acordo com o TCE tenha pressionado as empresas”. Ele afirma que a situação neste momento é difícil, diante da realidade financeira do Rio Grande do Norte. Em relação aos valores depositados pelas empresas, o COL irá se reunir com o setor jurídico para definir o que será feito. Empresas Procuradas pela equipe de reportagem da TRIBUNA DO NORTE, as empresas Odebrecht e Construtora Galvão informaram, através das suas assessorias de comunicação, que não iriam se posicionar sobre o assunto por enquanto. Já a Queiroz Galvão Engenharia, em nota enviada pela sua assessoria de imprensa diz que: “Após análise e estudos do edital, a Queiroz Galvão informa que no momento não tem interesse em participar da licitação.” A Construcap Engenharia e OAS Construtora também foram procuradas mas seus representantes não responderam às ligações. Estudante ainda tem esperança Diante das mudanças que podem ocorrer em Natal para o recebimento dos jogadores, comissões técnicas e turistas, o Ministério do Turismo, em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), realizou um curso de capacitação e formação de recepcionistas de hotel através da Escola Virtual dos Meios de Hospedagem. Dentre os estudantes, estava Rosângela Moreno, que afirmou acreditar que o sonho da Copa do Mundo em Natal ainda poderia ser realizado. “Continuo pensando positivamente. Por isso que eu e meus colegas estamos fazendo esse curso”. Ela acreditar que falta foco dos empresários, políticos e organizadores e comenta que o processo de viabilização do campeonato em Natal deveria ser feito com mais entusiasmo e comprometimento. Guia Dantas e Ricardo Araújo - Repórteres http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/arena-das-dunas-ou-castelo-de-areia/165963

Nenhum comentário:

Postar um comentário