sexta-feira, 15 de julho de 2011

JOAQUIMTUR DIZ SERÁ O COMEÇO DE PAZ NO ORIENTE?! Israelenses e palestinos se unem em manifestação por independência palestina

Protesto reuniu milhares de pessoas percorrendo a parte antiga de Jerusalém.

Milhares de manifestantes israelenses e palestinos fazem uma manifestação nesta sexta-feira em Jerusalém pela independência da Palestina, em um ato coordenado pelo grupo Solidariedade Sheikh Jerrach e comissões populares de palestinos de Jerusalém Oriental.

A manifestação reuniu cerca de 4 mil pessoas, começou no portão de Jaffa da Cidade de Velha e seguiu a linha divisória que separava Jerusalém ocidental da parte oriental da cidade antes da guerra de 1967.

Os manifestantes exigem a criação de um Estado Palestino nas fronteiras pré-1967, com Jerusalém oriental como capital.

Do portão de Jaffa os manifestantes seguiram até o portão de Damasco, ao longo das muralhas da Cidade Velha. De lá, foram para o bairro palestino de Sheikh Jerrach, onde colonos israelenses instalaram um assentamento em casas confiscadas de moradores palestinos.

Os manifestantes levavam bandeiras palestinas e gritavam palavras de ordem, entre elas 'judeus e árabes se recusam a ser inimigos'.

A manifestação é considerada histórica, tanto pelo número sem precedentes de manifestantes dos dois lados como pela maneira como foi coordenada.

No passado já ocorreram manifestações conjuntas de ativistas israelenses e palestinos, mas o número de participantes não ultrapassou a casa dos centenas e os atos foram coordenados por lideranças pacifistas israelenses e lideranças palestinas.

Na manifestação desta sexta-feira a coordenação foi feita com comissões populares de moradores de Jerusalém Oriental;

Segundo os organizadores, 'esta manifestação é um evento histórico na luta não-violenta para acabar com a ocupação'.

'A manifestação prova que israelenses e palestinos são capazes de realizar juntos uma ação direta e não-violenta que terá um impacto importante nos eventos que acontecerão em setembro', afirmam porta-vozes dos ativistas, se referindo à reunião da Assembleia Geral da ONU.

Reconhecimento da ONU

O secretário da Liga Árabe, Nabil El Arabi, anunciou na quinta-feira que a organização irá pedir o reconhecimento da ONU ao Estado Palestino nas fronteiras de 1967.

O pedido, que será encaminhado ao Conselho de Segurança e à Assembleia Geral da ONU que deverá se reunir no próximo mês de setembro.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, declarou que 'ainda prefere obter o Estado por intermédio de negociações com Israel'.

Segundo Abbas, como as negociações estão congeladas, 'não resta aos palestinos outro caminho exceto recorrer à ONU'.

Segundo porta-vozes palestinos, 117 países dos 192 membros da ONU já prometeram que irão apoiar o pedido de reconhecimento da Palestina.

Israel e os Estados Unidos já anunciaram que são contra o pedido, o qual qualificam como 'unilateral'.

Europa e EUA

Nos últimos meses tanto os líderes palestinos como os israelenses vêm tentando convencer os países europeus a apoiar sua posição.

Ainda não se sabe como os principais países da Europa irão votar na Assembleia Geral da ONU.

Os Estados Unidos já prometeram a Israel que irão utilizar seu direito ao veto no Conselho de Segurança, portanto o Estado da Palestina não poderá ser aceito como membro integral da ONU.

O ex-embaixador dos Estados Unidos na ONU, John Bolton, que está visitando Israel, disse nesta sexta-feira que o reconhecimento da Assembleia Geral da ONU ao Estado Palestino 'significa praticamente nada'.

De acordo com a avaliação de Bolton, a Assembleia Geral certamente reconhecerá o Estado Palestino mas o veto americano impedirá que esse reconhecimento tenha um resultado prático.

Bolton afirmou ainda que Israel e os Estados Unidos 'não deveriam levar isso (o reconhecimento da Assembleia Geral) tão a sério'.

No entanto, apesar do veto americano, o presidente Abbas afirmou que irá prosseguir com seus esforços para obter o reconhecimento da Assembleia Geral, pois, segundo ele, uma votação da maioria dos países em favor da independência palestina 'conferirá aos palestinos uma posição diplomática mais forte para negociar com Israel'.

Nenhum comentário:

Postar um comentário