quarta-feira, 20 de julho de 2011

JOAQUIMTUR DIZ: VEM AÍ... AGOSTO DA ALEGRIA!!!

Yuno Silva repórter As tradições populares e o folclore, festejados em todo o mundo durante o mês de agosto, são o mote do evento batizado como "Agosto da Alegria" - nome que faz alusão direta e antagônica à crença popular de que o mês dedicado ao imperador romano Augusto seria do desgosto. Apesar da explicação simplista, é ela que justifica o título da iniciativa promovida pela Fundação José Augusto e Governo do RN, cuja realização aglutina série de ações protagonizadas por várias instituições públicas e privadas. Mas, apesar da extensa programação e da pretensão de elevar Natal ao patamar de capital brasileira do Folclore no período entre os dias 5 de agosto e 11 de setembro, corre-se o risco da cultura popular passar despercebida de tão diluída no calendário de atividades. Lançado oficialmente na manhã desta segunda-feira, no Teatro Alberto Maranhão, com presença da governadora Rosalba Ciarlini e do secretário Estadual de Turismo Ramzi Elali, o "Agosto da Alegria" concentra ações de várias pastas do governo estadual (que seriam distribuídas ao longo do ano), e inclui atividades de entidades parceiras como UFRN, Sebrae, Sesc, Fal e UnP. "Esta é a primeira edição do evento, e reconhecemos que muita coisa deixará de acontecer por falta de tempo hábil para firmar parceria com o Governo Federal (Ministérios da Cultura e do Turismo). Mas também precisamos considerar que este é apenas o passo inicial", disse a governadora Rosalba Ciarlini após solenidade de lançamento. "Lembro da dificuldade quando começamos o projeto Mossoró Cidade Junina, por isso acredito que tudo é uma questão de tempo para Natal se tornar referência nacional quando o assunto for cultura popular e folclore", acredita a chefe do executivo estadual. Durante o lançamento no TAM, houve apresentação de músicos integrantes do projeto Conexão Felipe Camarão e do Pastoril Dona Joaquina, de São Gonçalo do Amarante. Evidenciando o "Dia Mundial do Folclore", celebrado no dia 22 de agosto, e exaltando o controverso número do IBGE (2006) que coloca o RN em terceiro lugar no ranking brasileiro entre os estados que identificam presença de manifestações de cultura popular em mais de 70% dos municípios, a secretaria Extraordinária de Cultura/FJA reservou R$ 350 mil para viabilizar toda programação de shows, exposições, palestras, exibição de produções audiovisuais, apresentações de teatro, dança, de grupos folclóricos e parafolclóricos. "Tivemos que buscar parceiros para viabilizar o evento", disse a professora Isaura Rosado, secretária Extraordinária de Cultura. "Inclusive, boa parte dos grupos convidados que vêm de outros estados estão vindo com apoio dos governos locais", explica. Vale salientar que, dos R$ 350 mil destinados ao "Agosto da Alegria", R$ 100 mil fazem parte do pacote do edital do Projeto Seis & Meia - a empresa vencedora da licitação irá realizar shows com artistas nacionais durante o período. "Os outros R$ 250 mil são recursos investidos diretamente pelo Governo", disse a produtora Danielle Brito, responsável pela organização do evento. Apenas 50 grupos no RN são autênticos, diz folclorista Porém, os números que colocam o RN em posição de destaque nacional são contestáveis: os folcloristas Deífilo Gurgel e Severino Vicente, dois estudiosos no assunto, não confirmam tais estatísticas. "Não sei como chegaram a esse índice (de que mais de 70% dos municípios do RN tem algum grupo popular em atividade), pois, atualmente, só existem perto de 50 grupos tradicionais autênticos", contabiliza o folclorista, escritor e poeta Deífilo Gurgel. "E esses grupos estão concentrados no litoral, entre Touros e Canguaretama", complementa. Para o presidente do Conselho Estadual de Folclore, Severino Vicente, "esses números estão furados"; gostaria de saber quais foram os critérios da pesquisa, pois, pelo visto, esses números podem estar considerando novas ações surgidas dentro de escolas ou mesmo a presença dos grupos parafolclóricos", analisa. Vicente acrescenta que o formato do evento "prioriza a diversidade cultural". "Não deixa de ser importante ressaltar a diversidade cultural, mas é preciso focar no folclore, sinto falta de debates teóricos sobre o tema", disse, adiantando que ainda não viu a programação completa. "Assim que tiver conhecimento (da programação) poderei dar uma opinião mais embasada sobre o assunto", afirmou. Contraditoriamente, o Conselho Estadual de Folclore não faz parte do planejamento do "Agosto da Alegria". Também questionado sobre o perfil da programação, Deífilo Gurgel disse que chegou a conversar com a professora Isaura Rosado sobre a necessidade de se ampliar a realização de debates para evidenciar estudos e pesquisas na área. "Se queremos propagar o saber tradicional às novas gerações, precisamos de um evento exclusivo de folclore", acredita. Secretária reúne grupos hoje para falar sobre o Edital Cornélio Carpina Mesmo com a intensa programação cultural, as parcerias locais firmadas e a garantia dos recursos, por mais que os valores sejam baixos diante da dimensão que o Governo do RN quer conferir ao "Agosto da Alegria", uma grande grande incógnita permanece sem resposta: e o edital Cornélio Campina, qual o fim reservado aos 25 grupos contemplados em 2009 com um prêmio líquido de pouco mais de cinco mil reais? "Terça-feira (hoje, 19) teremos uma reunião geral, às 15h, no Teatro de Cultura Popular (FJA), com todos os grupos para conversar sobre esse assunto", adiantou Isaura Rosado, sem confirmar se os pagamentos serão efetuados até o mês de agosto. Além de não receberem o Prêmio, representantes do grupos reclamam da falta de convites para apresentações em eventos oficiais. "A partir do 'Agosto da Alegria' teremos uma dimensão dos grupos em atividade, e logo estaremos lançando editais públicos para esses grupos poderem participar, por exemplo, do ciclo natalino promovido pelo Governo", disse Rosalba Ciarlini quando perguntada sobre a ausência da cultura popular em Autos natalinos e espetáculos de fim de ano. "Está para ser lançada uma série de editais ainda este ano", complementa Isaura, sem garantir se a iniciativa fará parte de um plano sistematizado de políticas públicas para o segmento. Renovação Mesmo diante das dificuldades, os brincantes não pensam em parar: "As dificuldades só nos dá mais ânimo para continuar", garante a pastorinha Izabela Câmara, 21, do Pastoril Dona Joaquina. Há um ano e meio no grupo, Izabela cursa Dança na UFRN e diz que "já gostava de danças populares" antes de conhecer o Pastoril. Para o músico Everton Araújo, 18, também brincante do Pastoril de São Gonçalo do Amarante, "a cultura no Brasil anda esquecida, mas não penso em desistir", afirma. Já Sephora Bezerra, coordenadora do grupo e herdeira da tradição por ser filha e neta de Mestra pastorinha, diz que brinca "por amor à tradição, por respeito às origens, mas se não houver um apoio concreto aos grupos do RN eles irão desaparecer. Há uma nova geração interessada, mas é preciso estímulo", afirma. O Pastoril de Dona Joaquina será homenageado no 47º Festival de Folclore de Olímpia (SP), para onde embarca no dia 21 de julho, mas só agora, aos 45 do segundo tempo, que o grupo garantiu apoio da FJA para chegar até São Paulo. Destaques Intensa e descentralizada, a programação gratuita do "Agosto da Alegria" se esparrama por vários pontos da cidade como Teatro Alberto Maranhão, Pinacoteca do Estado, Instituto Câmara Cascudo - Ludovicus, praça André de Albuquerque, UnP da Roberto Freire, Sesc Centro e zona Norte e Centro de Turismo. Pontuado pela presença de grupos de outros estados, sobretudo da região Nordeste, e atrações locais, o calendário de atividades foi dividido em onze linguagens para facilitar a distribuição dos eixos temáticos propostos pela organização: Folclore e Brincantes; Parafolclóricos; Artesanato; Gastronomia; Academia; Publicações; Audiovisual; Cultura Afro-brasileira; Artes Visuais; Artes Cênicas e Música. Entre os destaques exposição de arte Naïf no Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão; lutheria de rabeca, oficinas de Boi de Reis e capoeira no Conexão Felipe Camarão; cortejo cultural durante o Circuito Cultural Ribeira; Coral e Orquestra Sinfônica, Waldonys e Carlos Zens, mais Isaque Galvão, Khrystal e Orquestra Sanfônica, no Papódromo; lançamento de literatura de cordel no TAM; bazar e Feira dos Municípios; Salão Nordeste de Arte Popular Xico Santeiro, exposição "Arte de Fé", do artista Fé Córdula, mais a realização do I Circuito Brincantes do Brasil e do 15º Encontro de Cultura Popular na Pinacoteca do Estado; exibição do filme "Ceguinhas de Capina Grande" e do documentário "Chico Antônio - herói com caráter", de Eduardo Escorel, no Teatro de cultura Popular; ciclos de palestras no Museu do Homem Missionário em Pium (Vila Feliz) e no Memorial Câmara Cascudo; exposição miniaturas de Palatinik na galeria de arte do Centro de Turismo; exposição sobre vida e obra de Veríssimo de Melo; Aula magna com Ariano Suassuna no TAM e na UFRN; Seminário de Arte e Educação na UERN (zona Norte). *Fonte:www.tribunadonorte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário