terça-feira, 28 de junho de 2011

Acessibilidade // Centro de Turismo em reforma.

Nas próximas semanas, o Centro de Turismo de Natal deverá passar por reformas de acessibilidade, com o objetivo de possibilitar o acesso a portadores de deficiência física, em cumprimento às especificações contidas em uma regra estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre Promotoria de Defesa da Pessoa com Deficiência e do Idoso da Comarca de Natal e a Associação dos Empreendedores do Centro de Turismo de Natal (ASECTUR). Segundo informa o diretor da associação, Antônio Marques, a reforma vai contemplar os degraus da fachada, estacionamento, bebedouros, banheiros e restaurantes. Após serem realizadas as obras de acessibilidade, o Centro de Turismo deverá passar por um projeto de ampliação, que já conta com recursos garantidos do Prodetur. Serão investidos cerca de R$ 2 milhões nas obras de ampliação do terraço, sala-café e museu de arte popular. Somente o projeto arquitetônico custa R$ 400 mil. A previsão da ASECTUR é de que as obras comecem a ser executadas ainda neste ano. "Como se trata de um prédio tombado, não será demolido nada do prédio antigo, as reformas serão na parte baixa da área livre da edificação", disse Antônio Marques. Para ele, as reformas no Centro de Turismo vão garantir não apenas mais espaço, conforto e melhores condições de acessibilidade, como também mais opções ao turista que vem a Natal em busca de lazer e conhecimento. Além disso, deverá incrementar o fluxo diário de pessoas que é, atualmente, de 2 mil pessoas. Situado no alto de uma colina no bairro de Petrópolis, o Centro de Turismo faz parte do Centro Histórico de Natal, sendo um dos mais importantes e conhecidos prédios da capital. Foi construído por volta do século 19, inicialmente sendo um abrigo para mendigos e um orfanato e, posteriormente, tornou-se cadeia pública. Somente em 1976, o prédio foi reformado e virou o centro de turismo da cidade. As lojas estão situadas justamente onde eram as celas da prisão, dispondo também de espaço para festas, lanchonete e restaurante, além do tradicional "Forró com Turista". A manutenção permanente de toda essa estrutura, segundo informa Antônio Marques, quem faz são os 38 associados e empreendedores que atualmente trabalham no Centro de Turismo, gente que está lá há mais de trinta anos, desde que foi restaurado e ocupado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário